sábado, 15 de maio de 2010


Numa perspectiva esporádica,livre de contestações diria que este diário é um acumular de ausências forçadas e devastadoras. Num universo singular,inocente e sem pó das estrelas,interpretar o mundo que nos rodeia torna-se a cada minuto mais difícil.Às ausências forçadas,o meu sorriso emocionado e orgulhoso,por um dia terem passado no meu caminho e terem deixado tudo,deixaram tanto ao ponto de eu não me conseguir desvincular de vocês.Outras ausências vão aparecendo entretanto,ausências essas oscilantes e irregulares,incapazes de manter o registo. A essas ausências,o meu obrigado por um dia se terem cruzado no meu caminho,mesmo que não perdurem hoje,sei que um dia significaram algo.Sinto que agora é outro tipo de ausência que se aproxima da costa e quer desaguar. Uma ausência diferente das que já vivi e portanto,além de nova,revela-se um pouco assustadora. Não focalizando somente o que o presente nos dá,hoje até penso um pouco no futuro,enquanto que em passagens anterior está latente o meu desejo oprimido de reafirmar o passado. Hoje não me arrependo do passado. Tenho medo do presente e assusta-me ainda mais o futuro.



-Please hold back the flames of wicked love.

4 sentidos:

Fabiana disse...

Adorei. Escreves maravilhosamente bem :)
Beijinho

joana meneses disse...

gostei muito do teu blog, continua :)
beijinho vou seguir*

sorriso. disse...

volta a escrever, preciso que as tuas palavras deiam alento à minha vida.

Miquelina Giancomote disse...

que texto! gostei imenso :)
Beijinho *

Enviar um comentário

Utiliza palavras suaves..