sexta-feira, 30 de abril de 2010

O sol devolveu o sorriso vagarosamente,dirigindo os raios para fora do horizonte. E as palavras que me foram sussurradas repercutiram-se pelo tecto,demasiado amplificadas. Aquela bizarra e perfeita voz,não poderia ser abençoada. O Orgulho e privilégio de expelir meticulosamente todo o desejo consumido até então.



-acho que viver é desenhar sem borracha.

quinta-feira, 29 de abril de 2010


''Foi para ti que desfolhei a chuva. Para ti soltei o perfume da terra,toquei no nada e para ti foi tudo. Para ti criei todas as palavras e todas me faltaram no minuto em que talhei o sabor do sempre. Para ti dei voz às minhas mãos,abri os gomos do tempo,assaltei o mundo e pensei que tudo estava em nós,nesse doce engano de tudo sermos donos sem nada termos."


-Mia couto.




segunda-feira, 26 de abril de 2010

Sempre que chorares,chama por mim. Irei a teu encontro para te limpar docemente a lágrima,dir-te-ei que chorar é humano e que é sinal que sentes. Evolverei-te nos meus braços e sussurrar-te-ei ao ouvido coisas bonitas,para que as tuas lágrimas acabem o seu percurso no melhor dos sorrisos.eu não sou nada sem ti, acredita.



domingo, 25 de abril de 2010

-Palavras ditas em silêncio.

Ultimamente tem andado tudo muito indiferente para mim.

São só pessoas árvores,carros,casas,prédios e animais. Mais nada meros substantivos.

Já nem os adjectivos chegam a ser realmente utilizados. Não preciso de descrições. Só o básico.

Os dias na escola tem sido como o próprio nome indica só dias. Só dias na escola. Daqueles chatos e aborrecidos,com alguns sorrisos pelo meio,com pessoas que não gostamos e fingimos gostar (ou não) ou com aquelas pessoas que gostamos demasiado,com felicidade fingida e pura.

Com um pouco disto e daquilo. Tudo isto é uma antítese.

E sabem? Sinceramente não me preocupo.

Não são precisos floreados nem enfeites para embelezar o essencial, nem para viver a vida.




sábado, 24 de abril de 2010

-Quem me dera viver num mundo onde a palavra ‘impossível’ não existisse, e onde os sonhos não fossem sonhos, mas sim a realidade.

Tentei procurar te nas palavras já perdidas no meu pensamento,tentei encontrar o brilho do teu sorriso nas minhas memorias,tentei recordar-me de ti naquela noite já sem luz mas não te encontrei,não te senti nem implorei por um regresso tardio e demorado. Agarrei o meu coração,senti o seu suave batimento e prendi a respiração por instantes fechei os meus olhos e percebi que quando o nada é tudo,o impossível não existe.




-Mas pelo contrário, vivo num mundo onde a palavra ‘possível’ é que parece não existir e onde os sonhos não passam nem irão passar de sonhos.

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Vem. Não tenhas medo. Chega-te só mais um pouquinho. Deixa-me pegar na tua mão,e ver-te sorrir. Só mais uma vez. A ultima vez. Depois eu sigo,não te chateio mais,mas dá-me esta oportunidade. Quero sentir num instante o aroma do teu perfume e perder-me de vez nesse olhar. Vem. Estou mesmo aqui. Fala baixinho. Não queres ninguém a ouvir. Vem ter comigo. Não tens saudades ? Eu gosto tanto de ti. Eu estou tão perto de ti. Não vás embora,sim ?



-(Agora)Guardo dentro de mim o sentimento que esconde o cheiro a primavera,os sorrisos e as nossas histórias,irei sentir falta dos carinhos,das palavras quentes,que por agora são apenas pensamentos que a distância não quer levar.

quinta-feira, 22 de abril de 2010

Gostava que houvesse um pouco de sinceridade e honestidade à minha volta..

(como se isso fosse possível)




quarta-feira, 21 de abril de 2010

-és uma espécie de verdade, uma verdade não comprovada que me rasa a pele e me amarga os sonhos.

É engraçado constatar que apesar de te imaginar de todas as formas e maneiras carinhosas,com todas aquelas palavras melosas e aquele floreado verbal,é no teu silêncio que acredito mais.
Quando me falas é como se faltasse ali algo existe uma barreira,um muro entre nós.
As palavras que usas,as frases que me dizes,os textos que constróis,não fazem sentido quando os pronuncias,ao invés do teu silêncio,que me inquieta e me faz imaginar quinhentas mil coisas.é um silêncio profundo,comovido até.
Talvez porque toda a gente leve o silêncio para um lado negativo,atrevo-me a dizer,que me sinto muito mais unida a ti quando ambos nos entregamos ao silêncio e desta forma inaudível pronunciamos todas as formas de carinho que gostaríamos de aplicar com o outro.




terça-feira, 20 de abril de 2010


-Sei que não estás aqui porque não podes,sei que tens imensas coisas para fazer mas desde que chegaste que não poder e não querer se tornaram sinónimos.

Não poderes estar comigo significa exactamente o mesmo de não quereres.

Hoje,quem não pode algo,quem não quer algo, sou eu. não te quero aqui,não te posso ter aqui..

Saber que estás tão perto mas ao mesmo tempo tão longe abre-me um buraco no peito,faz-me mal,faz-me sofrer quero-te longe,bem longe, assim mantenho a fantasia de que gostarias estar comigo,mas o imperativo da distância não o permite. Saber que estás aqui faz-me ver a realidade e esta é uma realidade da qual sempre fugi.

Por isso,saí daqui..vira as costas de uma vez por todas e vai..fica longe,por favor muito longe.





-Fiz de mim o que não soube.

segunda-feira, 19 de abril de 2010


Quando a sobriedade se enrosca em nós proporcionando encontros ao acaso tudo parece mais estranho do que quando a cabeça está ao vento e não temos pleno controlo dos nossos movimentos e pensamentos.Os olhares fortuitos são mais estranhos,difíceis de perceber,tornando-se até incomodativos. O espaço aumenta acompanhando a vergonha pelo caminho.Pretendemos então,fazer de conta que tudo é desconhecido e seguimos com a prepotência colada aos ombros,como se não pesasse nada e não fosse minimamente estranho ter a noção de quem o outro é.



-um amor desconhecido, sabedorias incompletas e uma ternura brevemente derramada numa troca de olhares..


domingo, 18 de abril de 2010

-cruzado no meu caminho,que um dia significaria.

Numa perspectiva esporádica,livre de contestações diria que este diário é um acumular de ausências forçadas e devastadoras num universo singular,inocente e sem pó das estrelas,interpretar o mundo que nos rodeia torna-se a cada minuto mais difícil.Às ausências forçadas,o meu sorriso emocionado e orgulhoso,por um dia terem passado no meu caminho e terem deixado tudo,deixaram tanto ao ponto de eu não me conseguir desvincular de vocês.Outras ausências vão aparecendo entretanto,ausências essas oscilantes e irregulares,incapazes de manter o registo.

A essas ausências,o meu obrigado por um dia se terem cruzado no meu caminho,mesmo que não perdurem hoje,sei que um dia significaram algo.Sinto que agora é outro tipo de ausência que se aproxima da costa e quer desaguar,uma ausência diferente das que já vivi e portanto,além de nova,revela-se um pouco assustadora..não focalizando somente o que o presente nos dá,hoje até penso um pouco no futuro,enquanto que em passagens anterior está latente o meu desejo oprimido de reafirmar o passado. Hoje não me arrependo do passado.tenho medo do presente e assusta-me ainda mais o futuro,mas o estranho é que nem me sinto muito mal..








quinta-feira, 15 de abril de 2010

Quando te vi outra vez percebi que afinal o que sentia era real,tive vergonha..vergonha de dizer o que sentia,de dizer o queria..e tudo o que eu queria era ver um sorriso no teu rosto mas nem isso tu me deste e eu pensei que a culpa era minha que o que sentia não correspondia ao que tu sentias,e então pus uma máscara e escondi-me de ti e do que sentia..fiquei sem saber o que fazer,tirei a máscara mas parece que já era tarde demais.



-I lacked courage, I took the mask

terça-feira, 13 de abril de 2010

Eu dava tudo para voltar atrás no tempo,só para viver certos momentos outra vez,só para por minutos,sentir aquela felicidade própria do momento e ter aquele pensamento de "não quero que o tempo avance".Sabe tão bem..

Mas o tempo avança,o momento acaba por chegar ao fim,só restam duas coisas:a recordação de um momento perfeito e a ambição de conquistar momentos tão bons ou melhores que esse.





-there will always be tomorrow, but you have to live today.




segunda-feira, 12 de abril de 2010




-Quero fugir,quero correr para bem longe daqui,quero desfazer-me da realidade e ir para uma terra encantada,quero ir para um mundo impossível,cheio de possibilidades.


domingo, 11 de abril de 2010


É a verdade,eu pretendo levar um estilo de vida extremamente contestável..já me contestam por perceberam que sou assim,e ainda mal me fiz à vida..sabem que sou materialista e que vivo para uma caixa que faz barulho e tem ligações lá dentro,porque sei dar um sorriso quando me apresento a alguém ou porque sou educada? Não é tudo parece que sou invejosa em todos os meus actos e consigo magoar tudo o que me rodeia,e vou perdendo tudo aos poucos,como uma criança perde as peças de um puzzle,mas são coisas da minha cabeça.

Gostava de ver os meus pais orgulhosos de mim,pelo que me estou a tornar..mas eles não têm de que se orgulhar..orgulham-se de quê,verdadeiramente? De ser cobarde o suficiente para escrever lamechices todos os dias num blog para a pessoa que mais me importa neste momento e não ter coragem de lhe dizer a verdade? De ser trabalhadora por passar horas a fio num blog enquanto podia estar com eles a ver um filme? De ser preguiçosa por estar em frente a um computador enquanto a minha mãe arruma a casa? Por ter as excelentes notas que não tenho? Por ter a merda de vida social que tenho? Por ter um conjunto de amigos que também não tenho? Por fingir que sou feliz? Orgulham-se de quê?

Tenho uma melhor amiga,não tenho quem venha comigo no autocarro e ando sempre com pessoas diferentes nos intervalos,não tenho namorado porque a pessoa que mais necessito não me quer,e não tenho alguém que me dê um abraço apertado em momentos como estes,que estou desfeita em lágrimas..porque é a verdade,e a verdade dói.

E porque no futuro posso estar na América ou em Inglaterra,com um bom emprego e num bom apartamento,mas vou estar sozinha..e sem ninguém que me dê um abraço quando preciso,tal como agora.



-o que posso eu fazer?


sábado, 10 de abril de 2010

Sabem,estou numa fase passiva,por mais que tenha de dizer ou escrever contento-me a ouvir e a ler situações das outras pessoas e a tentar encontrar-me nos seus pontos de vista,procurando-me nos seus caminhos de vida já por mim pisados ou apenas procurando significados e soluções para o meu presente e futuro incertos..talvez esteja assim porque o que eu tenho para escrever já tenha sido escrito num passado demasiado próximo e o que eu tenho de dizer já tenha saído milhares de vezes dos meus lábios antes,talvez esteja cansada de todas as charadas que já tentei desvendar..eu sei que o que eu estou a passar agora já passei à pouco tempo,quase exactamente a mesma situação,e que agora,talvez não veja o sentido de escrever em cima de palavras gastas já muitas vezes sublinhadas..sei que este meu presente quase de certeza pode levar-me a um futuro emocional não muito promissor,mas para mim a sua profundidade já se tornou quase superficial..não me apetece,não quero sofrer por coisas já sofridas,para mim já esgotaram a sua validade de sofrimento e aprendi a minha lição com elas..talvez esteja a falar cedo de mais,mas não vou,não quero sofrer tanto como no passado,não vou,não quero.

Mas sei que há mais profundidade nisto do que eu penso e que para qualquer caminho que isto percorra,vai-me levar a magoar os pés nas pedras afiadas novamente e abrir as feridas semi-saradas do passado..eu já sei e já sabia..só espero cautelosamente por elas sabendo que não as poderei impedir,não estou muito mal por agora, talvez se fosse há uns meses atrás estaria muito mal,mas no futuro irei estar mal novamente,mas um dia eu irei ser muito feliz. E vou ultrapassar tudo,isto é só um teste para me tornar mais sabia e forte.






-Engraçado como as coisas se ligam,começamos a escrever duma coisa e basta só escorregar uma bocadinho e damos conta que está tudo interligado.





sexta-feira, 9 de abril de 2010


Eu dava tudo para voltar atrás no tempo..só para viver certos momentos outra vez,só para,por minutos,sentir aquela felicidade própria do momento e ter aquele pensamento de "não quero que o tempo avance"..sabe tão bem ...

Mas o tempo avança,o momento acaba por chegar ao fim,só restam duas coisas:a recordação de um momento perfeito e a ambição de conquistar momentos tão bons ou melhores que esse. Ah!, e claro..o sentimento,mas esse está sempre,está tão presente que já passa despercebido,o sentimento já faz parte..aquele sentir que se chama amor e faz dos nossos dias mais coloridos..a ponte de ligação entre a tua alma e minha.


-Tu és tudo para mim,tudo.





quinta-feira, 8 de abril de 2010

há quem beba para esquecer eu canto para recordar e guardar na minha caixinha de recordações..

aquilo de que me recordo,é do mundo perfeito que tinha.

O que é que eu faço aqui afinal?

Nasci para recordar o passado e suspirar por aquilo que já passou?

Que se passa afinal!?

Tenho de arranjar aventuras e não recordar o passado..

Tenho de arriscar

Porquê que me sinto assim?

Só eu sei pelo que estou a passar




-Decerto que não estou muito inspirada hoje,assim como em alguns dias mas principalmente hoje.


quarta-feira, 7 de abril de 2010


Ali ficava eu,com a brisa sobre os meus cabelos longos,com um pequeno bloco de notas onde anotava cada pedacinho da minha inspiração.
Como era bom estar naquele pequeno cantinho só meu,esperando o sussurrar do vento que me trouxesse algo reconfortante para anotar naquele meu pequeno bloco,todo ele cheio de rabiscos,pensamentos e sonhos.
Precisava de alguém ao meu lado,embora tivesse tudo naquele meu pedacinho de mundo,faltava-me algo bastante importante.
Algo que sonhava todas as noites e que esperava ansiosamente.

-Assim abandono o meu bloco e volto para escrever aqui


.


terça-feira, 6 de abril de 2010

Tenho medo de acordar e não voltar a ter à minha espera uma mensagem de bom dia,medo de chegar aos corredores apinhados de gente da nossa escola e não ter mais o abraço tão esperado,medo de cair e não ver a tua mão pronta a erguer o meu corpo..tenho medo de te perder,mas pior do que isso,tenho medo de descobrir que,afinal de contas nunca te tive.

-Sim tenho medo,e depois?







segunda-feira, 5 de abril de 2010

A importância de uma pessoa não se vê quando estamos com ela,mas sim quando não a vemos.

Acredita, eu sei o que digo

domingo, 4 de abril de 2010


E escuta o mar,o vento, as aves e os animais no mato e ouve a toada do seu coração..p

orvezes o oceano,em tons turquesa,esmeralda,água marinha,parece convidá-la a ousar..e

todavia existem pormenores que conspiram para que ela recuse esse chamamento,o desenho das nuvens,a forma de uma concha mais brilhante na areia molhada,o foco do farol,o voo das gaivotas..n

a alma, a imagem ambígua de um homem que amara,amara tanto,nas suas ansiedades obsessivas,nas suas dúvidas roucas,no desamparo com que ele se aninhava nos seus braços depois de horas de discurso concêntrico..falta pouco para a partida do seu amado,l

evanta-se e pensa no dia seguinte,que apesar de ter perdido fome e sono,é necessário “ir vivendo”..o

lha a TV,sempre desligada, e para o seu peluche..s

egurando o bloco,desenha uma boneca sorridente,com laços enormes nos cabelos e um ramo de flores nas mãos..s

uspirando, retira de um saco o seu telemóvel para ver se lá tinha alguma mensagem dele,mas nada..

amanhece,deita-se um pouco no sofá e adormece sonhando com uma criança inexistente cujo sorriso se parece com o dele..a

o levantar-se,tira do armário uma caixa azul de cartão e respira fundo..faltam poucos dias para a partida,e nesse instante descobre-se,sorrindo timidamente,numa serenidade nova..l

iga a TV,e brutais imagens de incêndios no seu país interpelaram-na violentamente..vê a dor resignada do seu povo,vê o medo,vê a destruição..d

urante os dias em que se retirara do mundo tantos dramas tocaram as pessoas e ela,obstinada,na sua altivez trágica,trancara a alma a qualquer ruído ''mais distante''..e

lembra-se de si própria,d

o seu rosto,d

e que tem braços para embalar,m

ãos para acariciar,v

oz para partilhar vivências e sonhos,e

que a sua força é vital para si e para quem ama,v

este uma camisa de noite branca e,já adormecida repete o gesto tantas vezes desenhado o braço dirigido para a almofada ao lado da sua,a mão estendida, os dedos flectidos,procurando o rosto dele..e estremece quando se descobre só..mas,numa voz subitamente enluarada murmura um excerto de uma canção:"Depois de te perder te encontro com certeza talvez num tempo da delicadeza onde não diremos nada,nada aconteceu apenas seguirei como um encantada''

sorri e adormece









sábado, 3 de abril de 2010


por que sinto a tua falta? porque esta saudade? eu não te vejo mas imagino as tuas expressões,a tua voz e o teu cheiro..a tua amizade faz me sonhar de uma maneira diferente..saudade é este sentimento de vazio que me tira o sono faz me sentir um triste abandono,é amizade eu sei,será uma grande amizade talvez..só não quero perder a tua amizade,esta amizade tão verdadeira e pura,que me fortalece me enobrece por te ter.







sexta-feira, 2 de abril de 2010

Sabias que verdadeira amizade começa por um simples ''olá''

quinta-feira, 1 de abril de 2010




Quem disse que te amo? Quem disse que sofro por ti? Quem disse que és tu com quem sonho todas as noites? Quem disse que é por ti que deixo escorrer aquelas lágrimas pelo meu rosto?Quem disse que é contigo que penso todos os minutos,segundos e horas?Quem disse que falo de ti o tempo todo?Quem disse?


Espanhar

ritinha diz:
vou espanhar 444
Shelly diz:
LOOOOOOL vai la então
ritinha diz:
como é que se espanha?
444
Shelly diz:
vais a espanha e espanhas-te la
LOOOOOOOOOOL
ritinha diz:
HAHAHHA
Shelly diz:
e pronto tas espanhada
lindo ne? ^^
444
ritinha diz:
vem comigo espanhamo-nos as duas
ya ya
Shelly diz:
claro